Arquivo de Junho, 2009

Imagem do dia #034

A pilar o milho

A pilar o milho

Anúncios

Imagem do dia #033

Os palacetes da minha aldeia 🙂

Os "palacetes" da minha aldeia :)

ASMtv: rally na Ponta do Ouro

“Mano Alberto, a Fina faleceu”

Foi com uma voz trémula que a Irmã Isaura me ligou na passada 5ª-feira para me anunciar tão madrasta notícia. A Piedade tinha falecido

Déjà vu?!

Confesso que não estou preparado para perder uma criança a cada mês e meio… 😦

A taxa de mortalidade é alta, é certo, mas não pode continuar assim!

A Delfina era uma menina com pouco mais de 4 meses de vida cuja mãe já faleceu, o pai é “desconhecido” e o resto da família padece de alguma doença… Desleixo?! Não sei… mas o facto é que não queriam ficar com a menina.

A Delfina era uma menina com pouco mais de 4 meses de vida que faleceu na quinta-feira de causas desconhecidas. Como pode uma criança falecer de causas desconhecidas. Estamos no século XXI, há médicos, há tecnologia, há know-how, há experiência… mas parece que aqui ainda não chegou nada disso.

A Delfina era uma menina com pouco mais de 4 meses de vida que tínhamos recebido há poucos dias… e poucos dias foram os que ela viveu connosco.

Em memória da Delfina…

Imagem do dia #032

A tocar na mão do Criador (Eu!)

A tocar na mão do Criador (Eu!)

O Dia da Independência

retirado de A. SOPA (coord.) (2001), Samora. Homem do Povo, Maputo, Maguezo Editores

Dia 25 de Julho celebrou-se a Independência de Moçambique. Um dia carregado de simbolismo, pois foi esta a data estabelecida nos Acordos de Lusaka de 1974, na Zâmbia, como o dia em que Lisboa passou a reconhecer oficialmente a independência de Lourenço Marques e o fim da África Oriental Portuguesa. Curiosamente, 25 de Julho é, também, a data da fundação da Frente de Libertação de Moçambique (FRELIMO), o movimento independentista a quem o Governo foi entregue em 1975.

Para alguns o processo de independência é descrito como o “possível de se efectuar tendo em conta os desenvolvimentos da época”. Para outros, o processo devia ter tomado outro rumo. É verdade que em 1975 o Governo Português não tinha grande espaço de manobra para liderar um processo de transferência gradual de independência, mas estou certo que se houvesse interesse de todas as partes em que a troca de soberania tivesse tido cabeça, tronco e pés, hoje Moçambique seria um melhor país. Bastava fazer o que foi feito com Macau. Aí, o processo de transferência de soberania seguiu um plano elaborado e faz hoje de Macau um paraíso na Ásia.

Aqueles que receberam o poder no pós-25 de Abril em Moçambique souberam manobrar muito bem a História. A História que hoje os meninos e meninas aprendem é, podemos dizer, alterada. Há formas de contar uma história de forma imparcial. Apenas relatando os factos! Há outras em que a História é reescrita de forma a glorificar ou perpetuar uma determinada imagem negativa de algo. Guerra Colonial e Guerra de Libertação,  nomes diferente para a mesma guerra,  são um perfeito exemplo disto!

Foi impossível não reparar na propaganda que os principais jornais de Moçambique publicaram das edições do dia 25 de Julho. À propaganda política somavam-se os habituais “Parabéns Moçambique… fazes 34 anos (!)”. Coisa estranha para mim, pois nunca vi ninguém a fazer isto em Portugal. “Parabéns Portugal, estás velho, vais fazer 900 anos (!)” é algo que não ouvimos pois temos em nós um espírito de unidade que, pela lógica histórica, Moçambique ainda não partilha. Nesta mescla de etnias e línguas que é Moçambique, e à qual quase nenhum país africano escapa, a “livre circulação” de pessoas e mercadorias começa apenas agora a ser uma realidade. A nova Ponte sobre o Rio Zambeze, considerada a maior obra pública em Moçambique desde a independência, é apontada pelos políticos moçambicanos como o elo que faltava para a ligação interna do país. Mas, o caminho faz-se caminhando e não há dúvidas que em Moçambique as coisas não caminharam tão bem como “eles” queriam. É obvio que as diferenças continuam a existir e continua a ser impossível afirmar, praticamente em todas os campos, que agora Moçambique está melhor!

Força Moçambique!

Viva Moçambique!

Imagem do dia #031

Por uma boa história vou até ao fim da (minha) rua, até ao fim do mundo!

Por uma boa história vou até ao fim da rua, até ao fim do mundo!


Indique o seu endereço de email para subscrever este blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se a 37 outros seguidores